Conta de luz: você entende a sua fatura no fim do mês?

Conta de luz: você entende a sua fatura no fim do mês?

  • Publicado em 3 de agosto de 2021
  • Por Group Energia

Se você é daqueles que recebe a conta de luz e só vê o valor final a pagar, esse artigo foi feito especialmente para você!

É muito comum que o consumidor não saiba fazer uma leitura mais complexa da fatura e pague pelo serviço sem entender, de fato, o que está sendo cobrado.

Saiba tudo sobre a conta de luz: como funciona, quais são os dados mais importantes e como calcular o valor do consumo na prática. Continue a leitura! 

Como funciona a conta de luz?

A conta de luz é uma nota fiscal que serve como um comprovante do consumo de energia e dos serviços de eletricidade. Nela, estão todas as informações relevantes e bem detalhadas para o consumidor final e é muito importante analisar essas informações.

Conhecer os dados principais é fundamental para auxiliar no planejamento de economia com os gastos com a energia. Entenda quais são e suas respectivas explicações: 

Número do cliente: 

É o número do seu cadastro na distribuidora.

Número de instalação:

É o número de cadastro da unidade consumidora.

Classe: 

É o perfil do cliente e a sua classificação de rede, disponível em 03 tipos: monofásico, bifásico ou trifásico. Para cada classe de rede existe um tipo de custo de disponibilidade específico.

Subclasse: 

São os perfis dos consumidores que podem ser: residencial, comercial, industrial ou rural. Cada um desses perfis tem sua própria tarifa.

Custo de disponibilidade: 

É o valor cobrado pela concessionária de energia da sua região para que seja disponibilizado o serviço de eletricidade ao seu imóvel. Esse custo varia de acordo com as classes: 

  • Monofásico: 30 KWh
  • Bifásico: 50 kwh
  • Trifásico: 100 kwh

É importante ressaltar que esse é o custo mínimo, ou seja, ele é cobrado caso o seu consumo de energia seja menor que o mínimo estipulado para cada classe.

Por exemplo: A sua classe é trifásica e você consumiu 90 kwh esse mês. Será cobrado o custo de disponibilidade equivalente a 100 kwh – que é referente ao custo mínimo do perfil que você está enquadrado – multiplicado pela sua tarifa.

Taxa mínima: 

É o custo de disponibilidade somado à taxa de iluminação pública.

Histórico de consumo:  

Apresenta o seu histórico de consumo dos últimos 12 meses de forma simplificada.

Reaviso de débito ou débitos anteriores: 

Sinaliza a existência de qualquer inadimplência e a data previsão de corte da energia caso não haja o pagamento. 

Os tipos de custos da conta de luz

 No Brasil, a cobrança de várias taxas em uma mesma fatura é algo em comum entre as maiorias das concessionárias de energia. E, de fato, a conta de luz sofre alteração devido aos encargos e tributos, chamados de custos.

Vamos decifrar os custos dessa fatura que pode pesar, cada vez mais, no seu bolso. Em geral, os custos da conta de luz se classificam em:

Geração de energia: 

Os custos das usinas que geram eletricidade;

Transmissão: 

São os custos referentes às redes de transmissão que levam a energia até o destino final;

Distribuição: 

Valores referentes aos serviços prestados pela sua distribuidora para que você receba a energia na sua casa ou empresa;

Encargos: 

São cobrados por determinação do Governo Federal para serem utilizados no desenvolvimento do setor e de políticas energéticas. Um exemplo disso seria a Contribuição de Iluminação Pública;

Tributos: 

Impostos definidos pelo governo para o uso da energia,  como o ICMS, o PASEP e o COFINS. Abaixo você encontra o significado de cada sigla e seus respectivos custos:

  • ICMS: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços. São os tributos indiretos embutidos nos preços.
  • PASEP: Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público. É um fundo vinculado a órgãos públicos e faz uma contribuição regular ligada aos empregados.
  • COFINS: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social que mantém programas para o trabalhador e os programas sociais do Governo Federal.

Além dos tipos de custos já citados, é importante entender melhor também sobre as parcelas. Veja só:

Parcela A: 

É igual a soma da Geração de Energia + Transmissão de Energia + Encargos Setoriais;

Parcela B: 

São os custos de distribuição de energia.

Para você ter uma noção melhor disso, o gráfico de pizza abaixo mostra a porcentagem de cada tipo de custos presentes no valor final da sua conta:

Fonte: ANEEL

O que são bandeiras tarifárias?

As bandeiras tarifárias são os custos reais da geração de energia elétrica. Elas servem como instrumentos para equilibrar a oferta e a demanda de energia, ao aumentar o valor da tarifa para o consumidor final.

Quais são os tipos de bandeiras tarifárias e como funcionam?

Na prática, as bandeiras tarifárias funcionam como um sistema de cobrança durante o acionamento das usinas termelétricas. Elas são acionadas quando as condições da geração de energia são prejudicadas durante esse processo.

Os tipos de bandeiras tarifárias são diferenciados pelas cores, que podem ser verde, amarela ou vermelha. Essas cores apontam se o valor da sua tarifa será mais barata ou mais cara, de acordo com a produção de energia elétrica em cada mês.

Na classificação, existem os seguintes tipos de bandeiras tarifárias:

  • Bandeira Verde: 

É o tipo padrão de bandeira, não tem nenhum acréscimo na tarifa;

  • Bandeira Amarela: 

É aquela em que a sua tarifa final sofre um acréscimo de aproximadamente 2%;

  • Bandeira Vermelha I: 

Sua tarifa final sofre um acréscimo de aproximadamente 6,5%;

  • Bandeira Vermelha II: 

É o nível mais elevado em que a tarifa final sofre um acréscimo de aproximadamente 10%.

Quem é responsável pela energia no Brasil?

Você deve achar que a distribuidora é a única responsável pela energia, certo? Já que é ela quem realiza a cobrança e a entrega do serviço, além de todo o suporte técnico necessário.

Porém, existem outros órgãos e empresas que também prestam serviços e têm papéis muito importantes. O mercado de energia funciona como uma “cadeia produtiva”, em que cada empresa se responsabiliza por uma etapa desse processo.

Uma usina pode produzir energia e uma outra empresa diferente é responsável pela transmissão dessa energia até a sua cidade. E as distribuidoras atuam para que a eletricidade chegue até você, como por meio da cobrança integral, dos impostos e dos serviços prestados.

Todavia, uma parte desse valor cobrado é repassado para cada uma das empresas responsáveis na cadeia. Por exemplo, apesar da CEMIG fazer a cobrança no caso de Minas Gerais (MG), ela não fica com o valor integral da fatura.

Enquanto essas empresas recebem um valor para pagar os custos, como de produção e de transmissão, o percentual que fica para a CEMIG é cerca de apenas 17% da conta.

Além disso, existe um órgão importante, a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) que regulamenta o setor de energia. Ela tem a função de fiscalizar e determinar todas as regras a serem seguidas no Brasil.

Agora que você já consegue entender, exatamente, o que você está pagando na sua conta de luz, será possível verificar todas as informações importantes da fatura. 

Quer saber como calcular o valor da sua conta? Clique aqui.

Veja também

reajuste tarifário na conta de luz

Reajuste tarifário: entenda por que a conta de luz ficou mais cara no Brasil nos últimos anos

Já reparou que a sua conta de luz tem ficado, cada vez mais, cara nos últimos anos? […]

Créditos de energia

Créditos de energia solar: o que são e como funcionam?

É bem provável que alguma vez já te falaram sobre créditos de energia solar, não é mesmo?  […]

Como calcular o valor da conta de luz

Passo a passo: como calcular o valor da conta de luz

A conta de luz tem aumentado com frequência, não é mesmo? Muitas pessoas se assustam ao receberem […]